Ciclofemini
Ciclofemini
Ciclofemini

criança chorandoHá quatro anos, desde que fundei a Escola de Bicicleta Ciclofemini, a frase mais comum que ouço de diversas mães e pais de crianças que “ainda” andam com rodinhas de apoio na bicicleta, independentemente da idade, se a criança tem 3 ou 11 anos é: “É uma vergonha, meu filho não sabe andar de bicicleta sem rodinhas”. Se o filho for adolescente a vergonha é ainda maior, e se for adulto nem se fala!

Em torno da bicicleta há um sistema de crenças muito forte que acabam por definir e se fundir com as crenças sobre a capacidade e habilidades da própria pessoa que não sabe pedalar. O sistema de crenças reúne crenças e valores compartilhados por uma determinada cultura, que definem sistematicamente um modo de perceber o mundo social, cultural, físico e psicológico. As crenças nada mais são do que opiniões adotadas com fé e convicção a respeito de algo e, os valores são as normas, princípios ou padrões sociais aceitos ou mantidos por indivíduo, classe, sociedade; etc.

Crer que exista uma idade especifica para aprender a pedalar, e que este aprendizado deva se dar na mais tenra idade é uma crença limitante. As crenças limitantes são resultados de interpretações negativas das experiências que vivemos. No momento que nos identificamos com uma situação ou modelo, nossas decisões sofrem influências daquele padrão, impedindo a mudança de paradigmas. Por mais que achemos que presenciamos a realidade, ela é constituída através do nosso sistema de crenças e valores. A realidade em si é percebida através das informações que obtivemos durante nossa trajetória de vida.

Por motivos culturais e tradição, formou-se a crença de que o aprendizado da pilotagem da bicicleta deva se dar na infância e o mais cedo possível. Esta “verdade” nada mais é do que um paradigma.

Crianças, adolescentes e adultos que não sabem pedalar, vivem com a crença de que deveriam em algum momento ter aprendido a pedalar, e o pior, como não sabem, sentem-se totalmente inadequados, incapazes, inábeis. Estas pessoas creem fortemente que não tem a capacidade necessária para aprender a pedalar, que não tem equilíbrio. Alguns escondem a vergonha de não saber pedalar dizendo simplesmente que não gostam de andar de bicicleta, que não tem interesse.

A criação dos pais insere crenças e valores aos filhos. Sofremos condicionamentos desde a infância por parte dos pais, com o método de educação ensinada com base nas suas próprias experiências de vida.  Isso é natural e inevitável, pois eles querem transmitir o que julgam correto na visão de suas crenças. Muitas vezes os pais criam seus filhos baseado no medo, ameaça, e com crenças limitantes em relação a vários fatores na vida. A distorção é criada a partir da identificação com essas informações vivenciadas.

Quando os pais dizem que é uma vergonha que o filho não saiba andar de bicicleta sem rodinhas isto nada mais é do que um paradigma criado por alguém, em algum momento da vida após a criação da bicicleta.

É comum ouvir dos pais que o(a) filho(a) não tem capacidade, que tem muita dificuldade, que não tem habilidade, equilíbrio, entre outras características, simplesmente porque o filho ainda não aprendeu a pedalar sem rodinhas. A criança ao ouvir que não tem tais capacidades acaba por aceitar, e é criado o que chamamos de profecia autorrealizável, expressão cunhada pelo sociólogo Robert K. Merton, que elaborou o conceito. A profecia autorrealizável é um prognóstico que, ao se tornar uma crença, provoca a sua própria concretização. Quando as pessoas esperam ou acreditam que algo acontecerá, agem como se a profecia ou previsão já fosse real, e assim a previsão acaba por se realizar efetivamente. Ou seja, ao ser assumida como verdadeira, – embora seja falsa – uma previsão pode influenciar o comportamento das pessoas, seja por medo ou por confusão lógica, de modo que a reação delas acaba por tornar a profecia real.

Se você diz que seu filho não tem vontade ou capacidade, ele certamente passará a operar dentro desta crença. A profecia autorrealizável é, no início, uma definição falsa da situação, que suscita um novo comportamento e assim faz com que a concepção originalmente falsa se torne verdadeira.

Muitos pais obrigam seus filhos aprenderem a andar de bicicleta sem rodinhas simplesmente por crer que o filho já passou ou  está na idade de aprender. Alguns pais não tem a cultura de pedalar, não tem bicicleta, mas exigem do filho que aprendam a pedalar. Os filhos ficam confusos, sentem-se obrigados a aprender algo com o qual até então não se identificam, e muitos tem certeza de que não irão aprender, porque de antemão ouviu dos pais que o filho é muito velho para aprender, passou da idade ou que não tem habilidades necessárias.

Pergunto? O mesmo sentimento se daria se trocássemos o aprendizado de pedalar uma bicicleta por jogar tênis, andar de skate, andar de patins, praticar parkour, esgrima, windsurfe, entre outros? Provavelmente não! Mas porque com a bicicleta é diferente? Simplesmente porque o pedalar está inserido em um sistema de crenças.

Cabe aos pais quebrarem o paradigma. Ao desejar que o filho aprenda a andar de bicicleta trate do assunto de maneira positiva, motivadora. Fale a respeito dos benefícios de aprender a pedalar, do seu desejo de pedalar junto com o filho, dos passeios que farão juntos, das bicicletas novas que comprarão. Não coloque o aprendizado de pedalar como algo negativo, imperativo, uma obrigação pela vergonha que sente, atrelando algo tão prazeroso que é pedalar a um ato negativo de imposição. Seja um agente de mudança, faça do aprendizado de bicicleta um marco, uma verdadeira dádiva devido aos benefícios que terão juntos.

Dicas:

1-      Não existe idade certa para aprender a andar de bicicleta. Em qualquer idade se aprende a pedalar.

2-      Crianças não aprendem mais fácil que adulto. Ambos aprendem da mesma forma e no mesmo tempo.

3-      Cultive a cultura familiar de participar de atividades esportiva juntos. Ande de bicicleta com frequência de modo a incentivar seu filho, de modo que ele queira estar junto com você. Dê o exemplo.

4-      Não coloque o aprendizado de bicicleta de forma impositiva porque o filho “já passou da idade”, porque precisa emagrecer, porque os amigos sabem e ele não.

5-      Mostre que pedalar é tão divertido ou mais que outras atividades físicas. Saia para pedalar com seu filho, leve-o na cadeirinha, no trailer, na bicicleta de engate, no triciclo, da forma como for conveniente e mais fácil para que o deslocamento de ambos seja harmonioso e prazeroso.

“Se você pensa que pode ou se pensa que não pode, de qualquer forma você está certo”. Henry Ford.

Comentários(4)

  • Zilá
    20 de fevereiro de 2015, 17:32  Responder

    Amei a maneira explicativa de motivar a aprender seja la o que for; no meu caso 55 anos com o desejo de aprender a pedalar!
    Muito grata, e lá vou eu…

    • Claudia Franco
      25 de fevereiro de 2015, 10:44

      Olá Zilá,caso precise de nossa ajuda é só nos contatar. Damos aula de segunda a sábado das 7 as 16 no parque Ibirapuera. abraços,

  • Marcelo
    3 de março de 2015, 23:22  Responder

    Existe este serviço em Brasília? Conheço adultos e crianças que gostariam muito de aprender. Mas como foi citado no texto, não tiveram uma influência em casa para tomar gosto pelo ato de pedalar.

    • Claudia Franco
      22 de abril de 2015, 16:45

      Olá Marcelo, enviamos a resposta para o seu e-mail, mas acreditamos que não tenhas recebido. Infelizmente desconhecemos este serviço em Brasília. Lamentos não poder ajudar com esta questão. abraços,

Deixe um comentário