Quanto mais convivo com minha mãe, atualmente portadora do mal de Alzheimer, mais aprendo sobre a enfermidade e sobre a vida.

Cuidar de um portador de Alzheiner, principalmente alguém com quem se tem um laço de amor tão forte, é algo que te faz pensar, refletir e sentir a vida através de uma perspectiva incomum e  desafiadora.

Lidar com a demência é uma situação que te coloca a prova a cada minuto. É necessário exercitar a tolerância em sua última instância, do contrário, tanto você quanto a pessoa enferma sofrerão muito e a convivência será penosa demais para os dois lados.

Neste exercício de aprendizado senti que em primeiro lugar e acima de tudo você deve cultivar a aceitação.

Aceite que a doença é um fato. Que seu ente querido não é mais a mesma pessoa, que é portador de uma doença cruel e que ele precisará de muita ajuda, muito entendimento, muita paciência e carinho seu e de todos os que convivem com o mesmo.

Aceite que seu ente querido está demente e que é seu papel entendê-lo e não ele a você. Portanto torna-se necessário uma nova forma de comunicação.

Percebi que o portador da enfermidade passa a ser muito sensível ao som alto de vozes, ou outros barulhos. É muito sensível a movimentos bruscos ou amplos, pois sente-se ameaçado. É sensível as temperaturas seja quente ou fria.

A pessoa também fica  sensível ao estado de espírito ou humor das pessoas com quem convive. É como se o seu sentido extra-sensorial ficasse mais aguçado reagindo positiva ou negativamente a energia que recebe.

As minhas sugestões não têm base cientifica, nem médica. São apenas observações a respeito da experiência que estou adquirindo ao cuidar da minha mãe.

Amor. O amor é o sentimento que mais provoca reações positivas e retorno. Fale que a (o) ama muito, abrace, beije, faça carinho, o elogie. Isto o acalmará e o fará sentir-se seguro;

Voz baixa e fala compassada. Ao conversar com o seu ente querido fale baixo e compassadamente mantendo contato visual. Não gesticule ou se movimente bruscamente. Se fizer movimentos que sejam suaves e lentos. Ao fazer contato físico como pegar na mão, no braço, ou passar a mão na cabeça, faça tudo de forma muito carinhosa;

Mantenha em sua casa uma atmosfera calma e tranqüila. Quanto mais organizado, limpo e tranqüilo for o ambiente, mais calmo a pessoa ficará;

Geralmente os portadores de Alzheimer quanto em um estágio intermediário, recusam-se a tomar banho e quaisquer outras atividades relacionadas à higiene pessoal. O momento do banho é um momento especial. Como são muito sensíveis a temperatura da água, demonstram medo da própria água, medo de cair, entre outros, faça do banho um momento menos traumático possível. Crie um ambiente propício para receber a pessoa. Se estiver muito frio aqueça o ambiente. Faça com que a pessoa sinta-se segura. Lembre-se de demonstrar muito amor e carinho;

Interaja o máximo possível. Dialogue, incentive a pessoa a falar da vida pessoal mesmo que ao falar nada faça sentido. Não critique, não corrija, apenas demonstre interesse e respeito. Mas não estresse a pessoa forçando uma situação, às vezes eles preferem ficar quietos apenas;

Sorria muito, demonstre alegria, a pessoa vai reagir positivamente;

Respeito e carinho. Lembre-se que o que faz sentido para você não faz mais sentido para a pessoa com Alzheimer.

Ao aceitar incondicionalmente que a pessoa está doente e que precisa de seu amor e carinho todo o restante será intuitivo e certamente será criada uma conexão positiva e saudável.

Amor é a melhor forma de comunicação entre todos o seres viventes neste planeta!