Ciclofemini
Ciclofemini
Ciclofemini

Iramaia, mais conhecida como Maia, é uma pessoa divertidíssima, muito falante, alegre e simpática.

Sua relação com a bicicleta começou ainda quando criança aos 10 anos. Primeiro ganhou uma monark vermelha dobrável e aos 12 anos ganhou de sua madrinha uma bicicleta Caloi que, segundo Maia, na época era o sonho de consumo das crianças de sua idade.

O ponto alto da sua iniciação no esporte foi quando seu pai comprou uma casa próxima da Cidade Universitária onde passaram a pedalar.

Seu pai, Nadir Ávila, ciclista por paixão, de repente se viu envolvido na confecção de uniformes para ciclista, quando o então treinador da caloi, Timon, perguntou a ele se poderia fazer uma camisa e uma bermuda, pois todas eram trazidas da argentina ou Paraguai. Imediatamente, uniu-se o útil ao agradável.

Na época seu pai confeccionou a bermuda com uma lã especial e o forro acolchoado no fundo da bermuda, foi confeccionado com pele de cabra que trouxeram do norte do país.

Desde então deram inicio a confecção de roupas esportivas para ciclistas.

Maia começou a trabalhar com seu pai na confecção,onde ficou por mais de 5 anos e depois  partiu para uma carreira solo criando a sua própria confecção, a MoonBikers especializada em roupas e acessórios para ciclistas.

Maia ingressou de fato no mountain bike quando a Giant (fabricante de bicicleta) chegou ao Brasil  na década de 90 e o responsável, Miguel Duarte, ex campeão da Copa Nove de Julho, pediu a ela que confeccionasse o uniforme completo da equipe de ciclismo da empresa, e, durante o passeio da primavera, lhe deu uma bicicleta  que fez com que  nunca mais parasse de pedalar.

Sua paixão por pedalar é tão forte que, mesmo tendo passado por uma cirurgia há 5 anos, que lhe retirou metade do pulmão esquerdo, nunca interrompeu a prática do esporte.

Como se não bastasse ela organiza passeios ciclísticos, preferencialmente noturnos, com bastante freqüência.

Maia, que é jornalista por formação e ciclista por tradição, além de dirigir a própria confecção, é uma mulher muito antenada, cicloativista nata, defensora da natureza e por isto mantém vários canais de comunicação com o mercado, tem Web site, Blog, Twiter, Facebook, Orkut, ufa!!  – tudo ao estilo desta contagiante e vibrante leonina.

Maia dá o seguinte recado às mulheres que pretendem pedalar ou que pedalam, mas que ainda não se entregaram totalmente ao esporte:

“As mulheres não devem sentir medo de andar de bike, seja onde for. Nós mulheres podemos ser mais frágeis que os homens fisicamente, mas somos muito mais resistentes a tudo, a dor, a situações adversas, característica que nos confere forte habilidade para praticar o ciclismo.

Muitos nem acreditam que eu tenho apenas meio pulmão do lado esquerdo, isto é a capacidade de superação da mulher.

Além disto, a bike nos leva a lugares onde somente a mesma é capaz de chegar.

“Costumo dizer que estes lugares são as Catedrais de Deus, onde por hábito durante a pedalada – já que evito falar para poupar fôlego – faço minhas orações e agradecimentos por poder pedalar pelas naves desses templos divinos.” – finaliza Maia.

 Frase de Maia: Se você não quer excesso de gente no seu evento de pedal, não deixe a Maia encarregada dos convites.

Canais de Maia:

http://www.moonbikers.com/

http://moonbikers.blogspot.com/

http://twitter.com/moonbikers