Ciclofemini
Ciclofemini
Ciclofemini

Quase 23 horas e o meu celular toca com a chegada de uma mensagem. Rapidamente acendo a luz do abajur para ver se era urgente, afinal quem poderia me enviar uma mensagem naquela hora da noite se não fosse algo urgente? E era!

Para a minha surpresa era a mensagem de uma moça desconhecida, dizendo que havia encontrado o meu site na internet e que dentro de cinco dias viajaria para a Bélgica e que uma das programações da viagem era um passeio de bicicleta.

Claudia estou aflita, pois não sei pedalar e tenho apenas cindo dias para aprender. É uma viagem a trabalho e tenho que participar de todas as atividades, por favor, preciso fazer aulas urgentes.” – escreveu Flávia a protagonista desta história.

No dia seguinte nos encontramos no parque para fazer a primeira aula. Confesso que quando recebi a mensagem, pensei “Nossa apenas 5 dias, acho que não vai dar! No momento seguinte fui tomada pelo desafio e pensei, Claro que dá! A moça está cheia de vontade e será um desafio para mim e para ela! Ambas querem, então dará certo! Fui ministrar a primeira aula para a Flávia convicta de que teríamos sucesso e depois dos cinco dias eu estaria exatamente onde estou agora, na frente no computador relatando o grande feito de Flávia.

Flávia é exemplo de superação, de descoberta, de foco, de dedicação e empenho. Flávia tornou-se ciclista foi para Bélgica com o sentimento ímpar de realização.

Veja abaixo o relato desta pessoa incrível, deste ser humano que está descobrindo o prazer de pedalar, da atividade física, do coração batendo mais rápido no ritmo das pedaladas e dos desafios que a mesma lhe impõe.

Quando o medo te impede de seguir adiante, algo precisa ser revisto.

É necessário um encontro profundo, um mergulho ao contrário e coragem para achar a resposta.

Andar de bicicleta é um convite ao inusitado, ao balanço que precede o equilíbrio e a imaginação.

Andar de bicicleta tem gosto de liberdade com calda de chocolate. Chocolate Belga, do passeio de bicicleta pelas ruas medievais de Bruges.

Meu mergulho até a resposta é profundo, ainda não terminou, mas consigo seguir adiante, pedalando na companhia do vento e do sol.

Obrigada à Claudia, ao Marcello e ao meu marido, que diariamente lembram-me que, ter medo é só o primeiro passo de uma grande conquista.” – relata Flávia.