Ciclofemini
Ciclofemini
Ciclofemini

Há mais de 200 anos a mulher vem lutando pelos seus direitos.  Em 1792 na Inglaterra – Mary Wolstonecraft (1759-97) escreveu um dos grandes clássicos da literatura feminista – A Vindication of the rights of women. Defendia uma educação para meninas que aproveitasse seu potencial humano.

Em 8 de março de 1857 nos Estados Unidos 129 operárias morrem queimadas pela força policial, numa fábrica têxtil, em Nova York. Elas “ousaram” reivindicar redução da jornada de trabalho de 14 para 10 horas diárias e o direito à licença-maternidade. Mais tarde foi instituído o dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, em homenagem a essas mulheres.

Em 2010 mesmo ainda necessitando batalhar seu espaço em uma sociedade cuja política pública e cultura ultrapassada não atendem seus anseios, as mulheres diariamente se destacam nos mais diversos setores.

Um destes setores é o do Esporte, pois o papel da mulher no esporte se mescla com seu papel social na história da humanidade.

O ciclismo foi o esporte que exerceu maior influência na emancipação física das mulheres inglesas e americanas. Atividade importada da Inglaterra em 1870 tornou-se muito popular nos Estados Unidos em finais de 1880, início de 1890 e oferecia para as mulheres o potencial para a mobilidade física e os benefícios de uma recreação ativa e saudável, assim como um novo senso de liberdade da roupa restritiva, demandando o abandono dos espartilhos e a divisão das saias em calças curtas ou bloomers (calções de mulher, folgados e compridos até os joelhos) (Smith apud Mourão, 2003).

O esporte tem sido para as mulheres mais um espaço de busca de igualdade de direitos e ascensão social.

O andar de bicicleta dá uma condição de ir e vir, liberdade, autonomia e independência, tudo o que as mulheres pós anos 60 buscavam, não é por menos que o ciclismo foi o primeiro esporte que ainda no século XIX, exerceu maior influência na emancipação feminina.

A vocês Mulheres Grandes Agentes de Mudança deixo aqui a minha homenagem e reverência destacando duas “feras” do MTB nacional e internacional.

Roberta Stopa, atleta brasileira de mountain bike, elite feminina. Conquistas em 2009: Campeã do MTB 12 h – Dupla Mista – XCM, Campeã do Iron Biker – XCM, Campeã do Big Biker – XCM, 3ª Colocada no Brasileiro – XCM, Campeã do Marathon Cup – XCM, Campeã da Copa Coronel Xavier – XCM, Vice-Campeã da Copa Internacional – XCO, Vice-Campeã da Copa Inconfidentes – XCO, Campeã do Shimano Short Track – XCO, Vice-Campeã Brasileira – XCO, Campeã da Copa Sram – XCO. http://robertastopa.blogspot.com/

 

Rebecca Rush, atleta americana de mountain bike, elite feminia. Conquistas em 2009: Mas O Menos Marathon, 1st, course Record, Spa City Marathon, 1st, course record, Cape Epic, South Africa, 6th place mixed division, Dirt, Sweat and Gears 12 hour race, 1st place, Spokane 24 hour race, 1st mixed 2 person division, Cowbell Challenge Marathon, 2nd place, Idaho State short track series, 1st in every race and series champion, USAC Marathon Nationals, 6th, 24 Hour Solo World Championships, 1st., Leadville 100, 1st, Crankworks CO Super D, 1st, 24 Hours of Targhee, 1st solo division, 24 Hours of Moab USAC National Championships, 1st women’s duo, USA Cycling Ultra Endurance Series champion, Idaho Cyclocross State Championships, 1st, Vuelta al Cotopaxi, Ecuador, 1st mixed team, 11th overall. http://www.rebeccarusch.com/

Fontes de pesquisa: Instituto Vita, Wikipédia, Confederação Nacional de Mountain bike, sites da Roberta Stopa e Rebeca Rush.