Ciclofemini
Ciclofemini
Ciclofemini


4BBicicleta para Todos
 é uma rede de mais de 120 entidades e empresas que visam ampliar o acesso de brasileiros à bicicleta, seja como meio de transporte, lazer ou prática esportiva.

Facilitar este acesso significa compreender os movimentos históricos que afetam o pleno desenvolvimento de uma cultura adequada ao ciclismo urbano e rural no Brasil. Seja através da ausência de políticas cicloviárias adequadas, seja como um bem de consumo não ajustado ao poder de compra dos brasileiros, a tributação que incide sobre bicicletas e suas peças é um dos principais fatores que culminaram, nos últimos anos, em um encolhimento da produção nacional. É especialmente sobre estes aspectos que a rede BPT (Bicicleta para Todos) se debruçará mais intensamente.

Hoje o Brasil é o 3º maior produtor de bicicletas no mundo, perdendo apenas para a China e para a Índia. É o 5º maior consumidor de bicicletas no mundo, representando uma fatia de 4,4% do mercado internacional. No entanto, quando observamos o consumo per capita de bicicletas, caímos para a 22ª colocação, o que significa um mercado emergente e um potencial de crescimento enorme.

Segundo dados do estudo “Análise econômica do setor de bicicletas e suas regras tributárias”, realizado pela consultoria Tendências, a tributação média sobre o custo de uma bicicleta vendida no Brasil é de 72,3%. Este cenário é responsável, por exemplo, em manter 40% da produção nacional de bicicletas na informalidade. Outra consequência da alta tributação é a retração da produção e do consumo nacional de bicicletas observada nos últimos anos, justamente em um momento globalmente favorável aos investimentos neste modal de transporte ativo e limpo.

De acordo com  o IBGE, quase 1/3 daqueles que se utilizam da bicicleta como meio de transporte no Brasil têm renda familiar de até R$ 600. São estes os brasileiros mais afetados pela alta tributação, que tolhe o acesso a um produto de mais qualidade e com valores mais justos, favorecendo a migração para outros meios de transporte, especialmente os motorizados.

Ainda segundo o estudo da Tendências, para uma redução de 10% no preço da bicicleta, estima-se um aumento do consumo mais que proporcional, da ordem de 14,8%. A isenção do IPI (Imposto sobre produtos industrializados) para bicicletas, por exemplo, elevaria o consumo formal de bicicleta em 11%. Isto significaria mais bicicletas nas ruas, mais qualidade de vida, menos congestionamentos e, ainda, maior arrecadação para os cofres públicos.

Por fim, é premissa da rede Bicicleta para Todos sensibilizar a opinião pública, bem como os tomadores de decisões, sobre a realidade do mercado de bicicletas no Brasil. São dados alarmantes e que representam entraves históricos para tornar a bicicleta mais acessível. Com a união nacional dos principais agentes transformadores que compõem esta rede será possível, em um futuro muito próximo, modificarmos esta realidade e criarmos as condições adequadas para o pleno desenvolvimento da bicicleta no país.

Mais informaçõesSeja um apoiador Vídeo

 

Comentários(2)

  • 26 de novembro de 2013, 08:51  Responder

    Esta carga desonesta de impostos sobre o valor das bicicletas atrapalha inclusive a arrecadação do governo, pois muitos ciclistas preferem comprar suas “magrelas” no exterior deixando seu dinheiro por lá… Isso certamente atrapalha o crescimento econômico do nosso país!

    • Claudia Franco
      26 de novembro de 2013, 11:13

      Denis, seja bem vindo a Escola de Bicicleta Ciclofemini. Totalmente pertinente a sua colocação. Muito bem lembrado. Só esta semana 3 alunos da escola viajam para fora do pais e voltarão com magrelas nas bagagens! mesmo declarando na entrada ainda compensa, pois o valor da bike á fora é muito menor! Acorda Brasil!! abraços Claudia Franco

Deixe um comentário