Ciclofemini
Ciclofemini
Ciclofemini

Sem respiração não há vida. Muito menos conseguir pedalar. Para quem pratica qualquer esporte, aos poucos vai percebendo a importância da respiração. Durante a minha primeira aula, o “Coacher”, Marcello Ruivo, da equipe CicloFemini, disse: “Respire, aproveite o ar que ainda é de graça”. E durante as aulas com a “Personal Biker”, Claudia Franco, ela dizia: “Força no pedal, respire”.

Foi ai que comecei a dar a devida atenção para a respiração. Percebi que não sabia respirar. Muito menos usar a respiração a meu favor. Começaram a surgir várias dúvidas sobre respiração.  Sentir esse movimento do ar entrando e saindo do pulmão, respiração lenta e profunda, sentir o momento que meu corpo precisa de mais oxigênio. Essa consciência corporal começou a despertar, com a prática do ciclismo.

Para entender melhor sobre respiração procurei o Médico de Esporte – Doutor Pablius Silva. Leia seguir:

Quais são os sintomas quando corpo pede por mais oxigênio?

Doutor Pablius: À medida que o esforço torna-se maior, a velocidade de respiração também é mais rápida. Este é um “sintoma”. Com o aumento maior de esforço ou tempo de esforço, maior será a velocidade de respiração (o corpo tenta aumentar o volume de ar nos pulmões para aproveitar mais o oxigênio) e mais próximo da exaustão.

Ritmo Respiratório, o que seria isso?

Doutor Pablius: O ritmo respiratório é fundamental para o tempo de esforço. Vale tanto para monitorar o cansaço quanto para a eficiência do resultado.

Se o ritmo respiratório começa a aumentar numa corrida de longa distância é sinal que o cansaço está chegando e é preciso diminuir a velocidade para dar conta do restante da corrida.

Outro exemplo, quando pedala lentamente, o ritmo da respiração é mais lento e nasal. Com o aumento da carga o ritmo fica mais rápido e, necessariamente, passa-se a respirar pela boca. Não há prejuízo nenhum se o ciclista conhecer os seus limites de esforço.

No treinamento, dosar a respiração determina o sucesso também.

Fale sobre os exames para cálculo de consumo máximo de oxigênio.

Doutor Pablius: O teste ergoespirométrico é essencial para determinar o volume de treinamento aeróbio de cada pessoa. Tanto sedentários quanto atletas. Ele determina a melhor faixa de treinamento para cada um, personalizado, pela análise de consumo de oxigênio até o esforço máximo.

Existem esportistas e atletas que tem um quadro chamado asma de esforço que melhora com o estudo da capacidade respiratória em esforço e os pontos melhores de treinamento para não apresentar sintomas. Exemplo: se o individuo tem sintomas de asma ao correr em 9 km/h, melhor será treina-lo em 7 e 8 km/h para melhorar a performance, até que tudo fique mais fácil.

O que é respirar bem?

Doutor Pablius: Respirar bem é utilizar de forma excelente a caixa torácica, pulmões e vias aéreas para um aproveitamento do oxigênio contido no ar.

Outro aspecto importante: ronco e apneia de sono podem deixar o corpo muito cansado no dia seguinte impedindo o bom desempenho nos treinos e competições.

A postura é fundamental para o melhor aproveitamento da respiração. Imagine alguém que tenha o tronco curvado para frente, terá menor espaço para encher os pulmões de ar do que alguém que tenha uma postura mais ereta.

Respiração, exercício e vida.

Sobre respiração e exercício, é um assunto inesgotável.

Durante minhas aulas fui apreendendo exercícios de respiração, e principalmente realizá-los na prática ao pedalar. A Equipe CicloFemini está de parabéns!

A “personal biker” Claudia Franco citou, como exemplo a ex-jogadora de basquete Hortência. Quem não se lembra daquela respirada profunda da campeã de basquete Hortência? E como bem lembrou Claudia Franco: O que ela fazia, quando estava diante da cesta: respirava fundo. Naquele momento de medo, expectativas, cansaço – e depois de respirar, jogava a bola para a cesta. A respiração profunda da Hortência naquele momento era para relaxar e se concentrar no lançamento da bola.

Quem usa bem os pulmões descobre o caminho da vitória.

O que a respiração tem contribuindo para minha vida:

Melhorou minha concentração, principalmente ao pedalar, ajudou a eliminar o estresse, a ter maior consciência corporal e da natureza também.

Respire e Inspire!

Você leitor já parou para pensar na sua respiração?

Luci Matos, jornalista,escritora, ciclista , aluna e colabora-dora do Ciclofemini que tem como objetivo incluir mais mulheres no universo da bicicleta