Ciclofemini
Ciclofemini
Ciclofemini

the-dance-of-cycling-Bicycle-Ballet-c-Ray-GibsonDepois de dois anos e meio ensinando diariamente pessoas a andarem de bicicleta não tenho dúvida alguma de que o motivo que as impede de pedalar ou pedalar bem, é o medo.

Ironicamente a construção da cultura do ciclismo urbano, acaba por enfatizar os perigos de pedalar com segurança pelas ruas e fortalece o medo das pessoas de usarem a bicicleta.

Mas o medo ao qual me refiro não é o medo óbvio e racional de pedalar em uma rua movimentada cheia de carros. Falo a respeito do medo visceral, do sentimento que causa a sensação de aperto no estômago, da adrenalina que acelera o coração, das mãos úmidas e trêmulas e fraqueza nos joelhos. Este medo é debilitante e difícil de controlar quando não se conhece os mecanismos para evitá-lo.

Minha primeira sugestão é tentar descobrir onde está a raiz deste medo. Tentar perceber se este medo procede, ou seja, se tem razão para existir.

Muitas pessoas chegam ao primeiro dia de aula dizendo que estão com medo porque imaginam que vão cair, que vão se machucar sériamente, etc. Outras dizem que tiveram pais super protetores que não permitiam que andassem de bicicleta para evitar acidentes, etc.

Portanto concluo que, na maioria das vezes, o medo de andar de bicicleta esta relacionado com crenças enraizadas, que passaram de geração para geração.

Por exemplo, uma aluna comentou que tinha pavor de subir em uma bicicleta e por isto nunca havia aprendido a pedalar. Disse-me que sua mãe havia contado que quase quebrou o pescoço quando caiu de bicicleta.

Observe que o medo que esta aluna tinha, foi “comprado” de outrém. Muito provavelmente a mãe quando caiu da bicicleta, teve a sensação de quase quebrar o pescoço, ou foi uma forma figurativa de redundar o fato, para externar o próprio medo. Se a queda da mãe aconteceu quando criança, é possível que esta criança tenha tido a sensação fatal, mas a queda de fato pode ter sido apenas um tombo, mas no imaginário daquela criança foi algo traumatisante. Esta imagem foi passada de mãe para filha e assim continua acontecendo de geração para geração, criando a corrente do medo.

Este é apenas um exemplo entre tantas outras histórias que ouvimos diariamente. Portanto fique atento a raiz de seu medo. Observe com calma, com tranquilidade se o medo que sente é proeniente de histórias que ouviu ou de observações do tipo: “não faça isto porque você vai se machucar”. “Não brinque de bicicleta porque você vai cair”, etc.

Sempre conto a alguns alunos a história de uma pessoa que fraturou o tornozelo escorregando no tapete de casa.

Mundialmente, os acidentes domésticos estão entre as cinco principais causas de mortalidade, ocupando em quase todos os países a segunda ou terceira colocação.

Na Inglaterra, o Serviço Nacional de Saúde tem um custo estimado em 450 milhões de Libras, por ano, com tratamento de lesões causadas por acidentes domésticos.

Entre todos os tipos de acidentes domésticos, as quedas somam mais de 38%. No Brasil, não existem estatísticas sobre acidentes domésticos, porém acredita-se que estes índices sejam semelhantes ou superiores aos da Inglaterra.

Às pessoas que tem medo de andar de bicicleta e, cujo medo não é algo tangível como pedalar em rua movimentada, ou que realmente sofreram algum acidente, recomendo um momento de reflexão: Se no mundo inteiro os acidentes domésticos causam lesões e até morte, porque ter medo apenas de andar de bicicleta. Por esses dados, deveríamos nós ter medo do ambiente onde vivemos? Claro que não!

Minha sugestão é trazer esta sensação de medo e desconforto para o campo da racionalidade, como fazemos com todos os “perigos” que estão em nossas residências. Tenho certeza de que muitos de vocês ao invés de ter medo de ter tapetes em casa porque escorregam, vocês tomam certos cuidados como colocar proteção anti derrapante. Identificam tomadas de voltagens diferentes, guardam produtos inflamáveis longe das fontes de calor ou fogo, e assim por diante.

Ao invés de abandonar o desejo de aprender a pedalar, reforce a racionalidade quando pensar em usar uma bicicleta.

Por onde começar? O primeiro passo é tangibilizar o medo. Comece por buscar orientação profissional, como uma escola de ciclismo que lhe ensine a pedalar com técnica e consequentemente com segurança. Neste momento você até pode concluir que pelo fato de eu ter uma escola de ciclismo, que eu o esteja induzindo a tomar aulas. Na verdade estou, pois com a ajuda de profissionais você conseguirá superar o medo e ter sucesso com o uso da bicicleta. Quantos já buscaram a ajuda de familiares e amigos e tiveram insucessos?

Sabendo como se comportar sobre uma bicicleta, sabendo como utilizá-la, certamente você não terá mais medo, ou se tiver terá medo de algo tangível, como pedalar em ruas movimentadas ou medo de quedas por já ter passado por algum acidente.

Ressalto que a maioria das quedas com a bicicleta acontecem pelo uso incorreto da mesma, como frear na hora e de forma errada, postura incorreta em curvas fechadas, apavoramento, dispersão, entre outros fatores.

Além disto, é preciso ter ciência de que em qualquer atividade física a queda pode ocorrer, não somente sobre uma bicicleta. É muito frequente a queda entre corredores, jogadores de tenis, dançarinos, e as mais diversas práticas. Portanto na bicicleta não será diferente, porém assim como nas outras praticas, quanto mais você dominar as técnicas, menor será a chance de um acidente.

Com relação ao medo da pratica do ciclismo urbano: O pedalar nas ruas torna-se muito perigoso para o ciclista inexperiente, para aquele que desconhece ou desrespeita as regras e para aquele que não domina as técnicas de pilotagem de uma bicicleta.

Conhecendo as regras, conhecendo todos os dispositivos para se tornar visível, sabendo como pilotar corretamente a sua bicicleta, com treinamento e muita responsabilidade o ciclismo urbano é totalmente possível e um grande prazer!

Andar de bicicleta é uma prática extremamente agradável e, ao invés de pensar: “poxa eu não dou conta disto”, procure por ajuda profissional para conseguir superar as suas deficiências técnicas.

É sabido que quanto mais conhecermos sobre um assunto, quanto mais dominamos uma técnica, mas confiantes nos tornamos. Portanto o medo de andar de bicicleta quando exposto à luz da razão, certamente será evitado ou eliminado.

A superação do medo é um esforço que vale a pena, você o trocará pelo imenso prazer de conduzir uma bicicleta.

Leia também:

Mercadores de medo e frustrações

Medo de Andar de Bicicleta

Superando o medo com determinação

Sou muito maior que o medo que sinto

Não alimente seus medos