Ciclofemini
Ciclofemini
Ciclofemini

mudançaDesde 1998 a bicicleta foi considerada veículo e incluída como tal no Código de Trânsito Brasileiro. A bicicleta, um veículo movido a propulsão humana passou a ter direito de trafegar pelas ruas e estradas das cidades e do país.

Governos de muitas Cidades e Estados brasileiros, têm realizado importantes investimentos na melhoria da mobilidade dos grandes centros, incentivando a integração entre os diversos modais: ônibus, trens, metrôs, carros e bicicletas.

Em uma cidade como São Paulo cujo crescimento se deu de forma desorganizada, implacavelmente a implantação de um novo sistema de locomoção vai gerar estresse e desconforto aos cidadãos durante um período, até que se estabeleça uma nova ordem.Com a implantação do sistema cicloviário da cidade não tem sido diferente, o desconforto e polêmica estão presentes. Mas certamente, daqui para frente a população sentirá os benefícios desta importante iniciativa.

Toda inovação gera resistência, porém a médio e longo prazos os benefícios superarão os desconfortos do momento inicial. A implantação das ciclovias tem gerado não somente polêmica, mas principalmente confusão de entendimento de como se deve dar o uso das mesmas.

É importante que a população entenda que a existência de ciclovias não se dará em 100% das ruas da cidade e que o ciclista, não necessariamente, só poderá trafegar por ciclovias. Uma vez a bicicleta sendo um veículo, é conferido a mesma o direito de trafegar pelas ruas e estradas da cidade.

Na contramão da evolução do sistema de mobilidade da cidade, muitos cidadãos não aceitam e não se adequam a tais mudanças. Este é o típico cidadão que fala mal do próprio país, da própria cidade onde vive, enaltece as cidades de outros países, como se todas estas cidades e experiências nasceram simplesmente perfeitas. Nova Iorque, Estados Unidos, muito recentemente passou por uma intensa reestruturação do sistema cicloviário, parte da população revoltou-se contra a secretária de transportes Janette Sadik-Khan da cidade que, até ameaçada de morte foi.

Pessoas que conheço, que acabaram de voltar de voltar de lá, relataram o quanto a cidade é ótima para pedalar, me disseram: “Lá é completamente diferente daqui, as pessoas respeitam os ciclistas, tem ciclovia por várias partes da cidade, etc”.

Na realidade, o grande respeito é proveniente do valor astronômico das multas e a rápida possibilidade de ser preso. O motorista que não respeita o ciclista ou pedestre vai parar na cadeia, sim. O sistema foi imposto, não houve consenso, para chegar a maravilha que é hoje.

Estamos a poucos dias do ano de 2015, com um intenso sistema de informação. Tudo acontece on line, a informação é instantânea. É inaceitável que cidadãos aleguem desinformação. Na minha opinião alguns preferem se revoltar, preferem partir para a ignorância para não saírem da zona de conforto.

Mas o típico cidadão ignorante, egoísta, desinformado, que acredita ser dono da rua, que demonstra todas as suas frustrações, inadequações na forma de dirigir, que é capaz de lançar um carro sobre um ciclista, está com os dias contatos, pois a mudança e a evolução são inexoráveis. Charles Darwin comprovou: Não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente, mas o que melhor se adapta às mudanças.

Pedalar faz bem para o corpo, para a alma e para a mente. Não se revolte, Instrua-se!

Pratique a cidadania, pratique a gentileza, aproveite oportunidades para demonstrar-se sábio, coeso, equilibrado e feliz!

Comentários(1)

  • 20 de abril de 2022, 05:35  Responder

    606716 368938We are a group of volunteers and opening a new scheme in our community. Your internet website given us with valuable info to work on. Youve done an impressive job and our entire community is going to be grateful to you. 135213

Deixe um comentário